12 de out de 2014

Para Eduarda Simone

Acordo,
e tod'amanhã me oprime.
Acordo,
e vejo minha cama coberta.
Acordo e o acordar me define
como uma seita de cobras que estudam só pernas.

Acorda!
E pensa que absorve uma bússula...
Acorda
e confia no meu amor policial.
Acorda,
que a corda é a morte e acordar é não ser etc e tal.