25 de out de 2009

***

Nem isso me obriga
Nem nada me permite
Que eu sempre sexo faça
Ou que a frialdade visite

Sendo um cachorro promíscuo
Sendo leal como um cão
É-me sério ser omisso
Faz-me rir a gratidão

Mas não digo ser ingrato
Nem vizinho da má fé
Dos opostos o contrário
Sou sincero a quem me é

7 de out de 2009

Para Christiane Quaresma

Belezas de brancura firme
Curvas de circular sedução
Sexo de orgasmo farto
Fisiologia hormonal de caminhão

Pênis e vulva bem juntos
Máquina lubrificada a mão
Entrelaçados, como se faz ao junco,
Seguindo o ritmo da respiração

Com os corpos de suor untados
Fizemos tudo, até sentados
Brindamos à perversão sadia

Unindo as línguas em nossas bocas
Meu pau cospe em tuas coxas
E te transformas em minha vadia