16 de nov de 2017



Eu sei,
Todos sabem,
Que todo mundo
É...
É alguma coisa para a morte.
(não sei de quase nada, nem da morte.)...
Quieto,
Observo a vizinhança, e já,
Já nem me dirijo
Para não me acelerar
À morte.
Não dou mais conselhos a Seu ninguém...
Nem cumprimento formigas...
Não vou a enterros...
Nem reforço expectativas.
Mas sei nadar muito bem;
Menos nas águas
E na vida.

3 de out de 2017



Sou teu cidadão.
Tu me rodeias e acrescentas
E em ti transito e transo,
E isso nunca me redime ou diminue.
Reduzir-me-ia se fosse eu mais um objeto abjeto do Estado;
Mas não,
Não sou tão gentalha da coisa pública assim.
Sou teu particular orgasmo;
Em tuas ruas, avenidas, morros, becos, vilas, praças, jardins, bairros e logradouros...
Sou teu cidadão tombado;
E na cidade que és tu:
Sou fé,
Virtude
E sorte.

3 de set de 2017



Uma estrela explodiu naquela face,
Salpicando de cobre aquela derme,
Prateando alguns fios no fim da tarde;
Entre as maçãs e a narina, as efélides.

Ou seria cromossômica mutação?
Sendo o quarto cromossomo alterado,
Ajuntando melanina nesse estado,
Dando as células essa pigmentação?

Bem, prefiro a primeira teoria...
Que de estrela se clareia a cor do dia
E tua luz faz das estrelas castiçais.

Fecho a cortina pra tirar uma soneca,
Que meu gene e minha estrela é ser poeta,
Sendo à noite nossos corpos brilham mais.

30 de ago de 2017



A evolução teoriza

Diversas formas de amar

Em todo sexo se abriga

A velha norma - cruzar



Ama-se o que se consegue

Entre os corpos sem saber

Multiplicar em nossa pele

As tatuagens do viver



Sem sonhar nada funciona

Nem se cria ou se transforma

Só sonhando a gente cruza

E se cruzando a gente goza

5 de jul de 2017



 I - Carne n'alma

Um terço da carne
Um quarto do corpo
O músculo estriado
Contrai-se de novo

Traído em parte
Pertence ao conjunto
Dos que sem maldade
Contêm todo o mundo

E o que está contido
N’alma não mente
É um conjunto vazio
Duvidar do que sente

II - Trem fecundo

Toda trilha caminha
De janeiro a janeiro
Os pés rezam na linha
E o chão pisa ligeiro

Todo trilho é refém
Do que por cima lhe passa
O trilho é feito pro trem
O riso efeito da graça

Tudo que trilhe afeto
Neste planeta miúdo
É como da terra um feto
Brota do ventre fecundo