21 de jun de 2012


Nesta vida de monstro desregrado
Quebrei perna, quebrei braço
Quebrei a cara, quebrei os dentes.

E mesmo depois de remendado
Sempre me sobrou meu coração latente.

Pungente coração que com cuidado
Se aproxima do espaço
Do teu ventre.